sexta-feira, 8 de março de 2013

Coluna

Travei pela primeira vez na vida. E a Pa me disse "escreve no blog". Como a Pa ja passou por isso - e deve ter feito bem pra ela - aceitei a sugestao. Pois ontem fui fazer a tão temida ressonância para saber qual o nome do mal que me dói uma dor que arranca lagrimas. Sempre tive meio q uma paura de cubiculos e aquela maquina, meu Deus, lembra mesmo um. Impossivel nao sentir os pes gelados, um suor frio na testa, aquela sensação de que agora nao escapo. . . Fui simpatica tentando quebrar tanto gelo, fui desde um "to nervosa" ate um "qto tempo vou ficar espremida nesse tubo". E foi exatamente espremida dentro do tubo q tive a real noção do qto sou pequena. . . Do quanto sou fragil. . . E se o tecnico da maquina morresse enqto eu estava la? E se a energia acabasse por duas horas? E se eu entalasse e tivessem q chamar um suporte tecnico de outra cidade, outra comarca, outro estado. . . Quanta merda pode passar pela cabeça em 20 minutos. . . Pois saí do tubo vitoriosa, respirando o oxigenio dos justos, me sentindo uma deusa. . . Agora é esperar a proxima ferroada!

sábado, 2 de fevereiro de 2013

Incisivo no discurso

Durante o discurso de posse de seu segundo mandato, o presidente norte-americano Barack Obama foi explícito com relação ao que pensa sobre a união civil homoafetiva. Numa declaração considerada combativa e liberal, Obama disse que “é dever agora da nossa geração continuar o que aqueles pioneiros começaram. [...] Nossa jornada não está completa até que os nossos irmãos e irmãs gays sejam tratadas como qualquer um de nós, perante a lei. Se somos realmente criados iguais, então, certamente, o amor com que nos comprometemos uns com os outros deve ser igual também”. Se alguém tinha dúvidas sobre o posicionamento de Obama, agora não tem mais. E continuou o presidente: “Nós, o povo, declaramos hoje que a mais evidente das verdades — a de que somos todos criados iguais — é a estrela que ainda nos guia; bem como guiou nossos antepassados em Seneca Falls, Selma e Stonewall.” E não parou por aí: também defendeu o direito das mulheres à igualdade de salários e os imigrantes, que “ainda veem a América como uma terra de oportunidades”. E quem não gostou terá que viver com isso.