terça-feira, 14 de fevereiro de 2012

Salvação

Vivo há alguma tempo às voltas com a, hoje famosa, síndrome do pânico. Estou tratando há mais de um ano, estabilizada, melhor. Mas hoje a bendita da crise resolveu dar o ar da sua graça. Coração disparado, suor gelado nas mãos, sensação de morte. 'Ude, vc não vai morrer'. Eu sei que não vou, pelo menos nesta hora, mas quem é que controla a cabeça? Fico possessa com quem não entende, lança olhares de 'o que é isso, minha gente?', e tem dificuldade em acreditar que eu, a fortaleza em pessoa aos olhos do mundo, me envergo diante de uma crise de pânico. Não há explicação. No momento, não há saída. Inspira, expira, inspira, expira. Assim como ela vem, vai embora. E fica o medo de encontrá-la novamente. Não quero. Exijo que suma. Torço ardentemente para que desapareça. E volto à rotina. Esperançosa e determinada. Ela não voltará mais.
Me vem à cabeça um texto da amada Clarice Lispector, o mesmo que está aqui no blog, "Escrever é uma maldição que salva. É Uma maldição porque obriga e arrasta como um vício penoso do qual é quase impossível se livrar, pois nada o substitui. E é uma salvação. Salva a alma presa, salva a pessoa que se sente inútil, salva o dia que se vive e que nunca se entende a menos que se escreva...." Talvez eu precise mesmo voltar a escrever. Aqui. Soltar a alma, destravar os sentimentos, jogar td pra fora..... É o que farei a partir de hoje. Ou de amanhã....

2 comentários:

Vô Chico disse...

Força, Ude. Tudo passa, isso também vai passar.

Anônimo disse...

Oi, U, eu não sabia, menina...
Não deixe que te julguem, não.
E escreva, sim!!!!! Neste e em outros espaços, lembrando que no trabalho não conta. Tem que colocar pra fora mesmo!
bjos
Patrícia