sábado, 21 de novembro de 2009

Anos

Não sei se o que venho vivendo é apenas uma fase mais difícil ou se isso chama-se vida adulta, mas nunca me senti com a idade que realmente tenho como agora. Quando alguém perguntava minha idade, eu sempre tinha que pensar..... E sempre me vinham os vinte e poucos anos, depois os trinta e pouco... Hoje não, eu me sinto realmente com 43 anos (sem levar em conta que, com essa idade, minha mãe já tinha 8 filhos e era praticamente uma senhora). Não me sinto uma senhora, não. Mas fico um pouco sem ar quando penso que já passei, provavelmente, da metade. E foi tudo tão rápido!!! Quando fui matricular meu filho no 'colégio grande', saí com o coração apertado e segurei as lágrimas pra ele não perceber. Não porque ele está crescendo, mas porque eu estou envelhecendo e tenho pavor de imaginar que tenho pouco tempo com ele. Exagero, eu sei.... Não sei quantos anos tenho pela frente.... Será que estou sendo pessimista ou realista? Viver é tão bom, mesmo quando as coisas são ruins.... Mesmo quando a gente se depara com aquela situação chata, com problemas no trabalho, em casa, com amigos.... Nunca na vida eu senti tanta vontade de viver.... E nunca tive tanto medo de que a vida passe depressa demais.....
Giovanni quer um gato. Quando na vida eu imaginei que pararia para pensar nessa possibilidade? Jamais.... Eu odiava gato e hoje eu até gosto.... E estou pensando seriamente na possibilidade de comprar um pra ele..... E gato parece coisa de velho..... E ando sonhando com a aposentadoria, que vai demorar muito tempo pra chegar... mas já me vejo em casa, fazendo coisinhas bonitinhas pra decorar aquele cantinho, saindo com amigas pra tomar um café e combinando uma pequena viagem.... Eu vou amar ser aposentada, tenho certeza. Mas até lá, tenho muito ainda que trabalhar, que construir. Construir um mundo melhor dentro do meu mundo e fora dele tbém... Porque é lá que meu filho vai estar, com certeza. E é assim que tem que ser.....

sexta-feira, 13 de novembro de 2009

Princesa!


Amor louco que a gente tem pelos filhos, nenão? Mas os sobrinhos também são parte integrante do nosso coração. Essa princesinha já tomou conta do meu, coisa mais linda desse mundo!!!

domingo, 1 de novembro de 2009

Paraíso

Estamos passando o feriado na casa de um dos meus irmãos, no Paraná. A única vez que o Giovanni veio aqui estava na minha barriga, portanto não conhecia a casa do tio. Estava numa ansiedade tremenda antes de chegar, numa viagem que durou seis horas e pouco. Quando chegamos, família esperando, tios amorosos, primos idem. Tudo uma delícia. E ele tão feliz.....
Hoje quando acordou, disse "Essa casa é um paraíso". Entendi perfeitamente o que ele quis dizer. Paraíso é estarmos rodeados de amor, de gente querida, de pessoas que se amam de verdade. E não é isso que todos nós buscamos? Acabei me lembrando de um filme que vi essa semana. "A Guerra dos Rocha". Ao contrário de meu amigo - e crítico - Ronaldo, adorei. Uma comédia muito boa, brasileira, com um elenco ótimo. No filme, os irmãos não se davam, só estavam interessados no dinheiro da mãe e não queriam saber de cuidar dela, uma velhinha superengraçada interpretada pelo excelente Ari Fontoura. Apesar de ser uma comédia, tem momentos bem 'pesados', quando ela descobre quem são seus filhos de verdade.
Fiquei pensando: por que a gente perde tão fácil a paciência com nossos 'velhos'? Minha mãe, com 81 anos, tem uma cabeça ótima, mas todas as manias de uma velhinha. Rezou trezentos terços durante a viagem, sempre quieta. Aguentou bem os 500 quilômetros, ouviu 'mir' musiquinhas de todos os bichos que moram, infelizmente, no zoológico. Ela deve, claro, ter ficado bem cansada, mas não perdeu mto o humor. E em vez da gente agradecer a Deus de ainda termos ela junto conosco, muitas vezes acabamos reclamando das manias.
Tomara que Deus perdoe o nosso tempo de ignorância......