sexta-feira, 27 de fevereiro de 2009

Fofura


Ana, a bebê mais fofa desse mundo.....

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Engolindo sapos

Ontem eu estava assistindo Saia Justa e a discussão das quatro mulheres (atriz, jornalista, ex-modelo e filósofa) que fazem parte do programa - e que para mim não representam em nada a mulher brasileira - era "engolir sapo". Faz pouco tempo que assisto, não assiduamente, e confesso que a linda atriz tem sido para mim uma grata surpresa. Porque aquela jornalista e a filósofa, pelo amor de Deus. Ninguém merece. A ex-modelo ainda parece gente boa. Bom, voltando ao tema "engolir sapo", elas estavam falando que se na vida é preciso ou não engolir sapo. E eu pergunto, é preciso engolir sapo? OF COURSE!!!!! Quem não engole sapo, não vive. Ou se transforma em um monstro, um ditador, um lunático, um desajustado, sei lá. Bom, mas a atriz tava dizendo exatamente isso, engolir sapo é necessário, principalmente no mundo do trabalho. Aí, a "madama" filósofa disse, em outras palavras, que quem engole sapo é fruto de uma educação castradora e que ainda bem que os jovens de hoje mudaram, não aceitam ser controlados, blá blá blá, como se enaltecendo a juventude sem limite algum que vemos em todos os cantos. O papo continuou e a atriz quis voltar à observação da antipática filófosa, que não respondeu, ou melhor, ignorou, o aparte oportuno da bonitona. Ela deve é ter mta inveja pq além de antipática, é feia que dói. Mas ô mulher feia, com roupas horrorosas e ar de superioridade, sô!.
Bom, destilado o meu veneno, vou ao ponto crucial. Não acho que a discussão deveria ser se devemos, mas o quanto devemos engolir de sapos. Porque eu engulo vários, every day, e passo mal com as dimensões de alguns. Aqueles que param na garganta. Mas quando é hora de parar? De dizer, seu sapo, sai daqui pq vc eu não vou engolir? Essa é uma situação séria, pq já me vi tão irritada com alguns sapos grandes, que acabo explodindo quando tem um pequenininho e até simpático na minha frente. Engulo o enorme e tenho chilique com um minúsculo. Como que faz pra gente saber a hora certa de engolir, hein? hein?

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Golfinhos

Eu amo golfinhos. Não tem nenhum outro animal que eu goste tanto. Eu sempre me perguntei o que os golfinhos têm que me atraem tanto. Porque eu sempre procuro encontrar alguma ligação nas coisas. Deveria pensar "eu gosto de golfinhos e pronto". Mas eu não sou assim. Por isso fui procurar alguma coisa sobre eles, pra tentar entender um pouco porque eu sou apaixonada por eles. Além de lindos, eu vejo uma coisa neles que não consigo explicar. Uma doçura, uma meiguice, uma felicidade. Então eu fui lendo e vi que os golfinhos fazem parte de uma das espécies mais inteligentes do oceano. E vários estudos mostraram que eles são mais parecidos com os humanos do que se imaginava. Vi em um artigo, que em 2005, uma pesquisa feita pela Universidade de Leicester, na Grã Bretanha, concluiu que nadar com golfinhos ajuda no combate à depressão e que acredita-se que os golfinhos são capazes de interações complexas: tratam os humanos positivamente e assim conseguem gerar boas emoções em humanos. No Centro de Estudos de Roatan, em Honduras, cientistas estudam há mais de 15 anos o comportamento e nível de aprendizado de golfinhos. Eles afirmam que os golfinhos, especialmente os tipo nariz-de-garrafa, respondem muito bem ao estímulo humano e que aprendem como crianças através de tarefas, elogios e incentivos que os estimulam. Na reserva em Honduras, os golfinhos já sabem identificar o seu treinador a até o seu balde de comida através da cor.
Existe até um trabalho de um cientista, que não me lembro de onde, nem seu nome, que demonstra que os golfinhos são capazes de entender a estrutura das frases assim como regras de semântica . O cinetista também descobriu que os golfinhos, assistindo televisão, conseguem entender que as imagens não fazem parte do mundo real. Um dos testes feitos foi o treinador jogar uma bola para o ar e pedir para o golfinho fazer o mesmo. Estando a bola na televisão, o golfinho não tentou pegá-la, e sim procurou a bola de verdade. Não é demais?????????
Mas eu ainda não descobri o que tenho em comum com eles.... Ah vá, é melhor eu só ver e curtir. Uma vez, voltando de Ubatuba, vi um grupinho perto da praia. Era bem cedo. Que coisa mais linda.... Se eu pudesse, teria um. Como não posso, sonho com eles...

sábado, 21 de fevereiro de 2009


Fui fazer uma matéria ontem, às 7h. Então tive que levar o Giovanni comigo, mesmo pq era bem pertinho de casa. A matéria era sobre um grupo de 30 homens que foi a pé para Pirapora, sem nenhuma promessa, apenas para agradecer a Deus as bençãos recebidas no dia-a-dia. Fiquei bem impressionada com a fé deles. É difícil encontrar homens que professem, sem vergonha, sua devoção a Deus. Foi lindo, fiquei emocionada. Aí o Giovanni serviu como "modelo" na foto.... Fofo, né! Aqui está a matéria. A foto é do Mateus Medeiros.
beijos procês!
Grupo troca folia pelo ‘caminho da fé’
(Ude Valentini)
Com muita fé, disposição e coragem, um grupo de romeiros, formado por aproximadamente 30 homens, partiu às 7h de ontem, a pé, para Pirapora do Bom Jesus, cidade distante 120 quilômetros de Piracicaba. A previsão de chegada é amanhã. Antes da partida, em frente a residência do organizador da viagem, Bertinho, 59, era grande a quantidade de colchonetes, alimentos dos mais variados, água, sucos e refrigerantes, que estavam sendo dispostos em duas caminhonetes que servem de apoio. Os participantes se preparavam com alongamento, concentração e muito filtro solar.
Momentos antes da usual oração da partida, Bertinho conta o motivo da caminhada até Pirapora. “Esse é um agradecimento por tudo o que Nosso Senhor Jesus Cristo e Nossa Senhora fazem para a gente. Não precisamos pedir nada, só agradecer”, afirma. O grupo leva uma imagem da Mãe Peregrina, que é carregada por todos os romeiros ao longo do caminho. Nas mãos, todos carregam um terço. “Rezamos o terço durante todo o percurso e cada vez que carregamos a imagem de Nossa Senhora, que vai passando de mão em mão, não sentimos os pés. Nós flutuamos. Não há dor física nem psicológica”, diz. Nesse ponto do relato, fica difícil para Bertinho esconder a emoção.
Esse é o 43º ano que ele vai à Pirapora, mas o grupo também faz uma romaria, todos os anos, até a cidade de Atibaia, onde visita o Santuário da Mãe Peregrina. “Nós preferimos não fazemos nenhum alarde nem divulgamos nossos nomes, pois nossa intenção não é pagar promessas nem pedir nada. Nosso objetivo é somente agradecer por nossas vidas”, afirma. No primeiro dia, o grupo caminha 52 quilômetros; no segundo, 46 quilômetros e no terceiro, 22 quilômetros.
Gílson, 31, não conseguia disfarçar a ansiedade de participar pela primeira vez da romaria. “Estou ansioso porque não sei como será, se vou conseguir. Mas sei que para agradecer, todo esforço vale a pena”, comenta. Raul, 51, participa há 20 anos, e ontem estava feliz porque comemorava 27 anos de casamento. “Andar me limpa. Cada romaria é diferente, a gente sofre com o sol, com as dificuldades em certos pontos do caminho, mas é uma experiência incrível. Vou até quando minhas pernas aguentarem”, conta.
Nenê, 42, que também faz parte da organização, afirma que o desafio psicológico é maior que o físico. “Embora a gente brinque e converse, na maior parte do tempo nós rezamos mesmo. Nossa única arma é o terço e fazemos orações para agradecer. E alcançamos muitas graças em nossas vidas, sempre de acordo com a vontade de Deus”, diz. Ele conta ainda que a ajuda entre eles é mútua. Na noite de ontem, o grupo dormiu na cidade de Capivari, em uma venda localizada no bairro Samambaia. Essa noite, os romeiros dormirão no ginásio de esportes da cidade de Cabreúva. “Como não estamos na Semana Santa, quando há muitos romeiros, conseguimos esses lugares, o que facilita a viagem”, diz Nenê.
Antes de partir, todos os homens dão as mãos, rezam e saem. As romarias acontecem duas vezes por ano, mas o grupo se reúne semanalmente, na chácara de Bertinho, para partidas de futebol. E para rezar: antes das partidas, todos os sábados, o grupo reza um terço.

sexta-feira, 20 de fevereiro de 2009

Carnaval

O carnaval é a festa da carne, certo? Pois eu acho que a gente deveria fazer um churras nos quatro dias. Com muita carne e cerveja. Ontem, entrevistando um especialista em meteorologia, ele me perguntou: Vc vai sair de que no carnaval? Eu respondi, de repórter, oras. Carnaval pra repórter é a morte. Tem coisa mais chata que cobrir desfile de escola de samba? É sempre a mesma coisa, principalmente numa cidade do interiorrrrr..... Aquela avenida lotada, aquele único carro de som que demora uma década pra voltar após uma escola (pra pegar a outra), aquele monte de gente com cara de saco cheio (de tanto esperar) e a gente com cara de trouxa (de estar lá, tarde da noite, esperando nada). Detesto. Pra falar a verdade, eu não gosto de carnaval. Isso é meio óbvio, né! Não gosto de clube, de escola de samba, de axé. Acho uma alegria falsa. Acho um exagero sem objetivo algum. As pessoas se matam de pular e depois, na quarta-feira, tá todo mundo acabado. Tem graça? Use camisinha, beba com moderação, se beber não dirija. Tem algum sentido? Essa é uma festa que deveria acabar. Chega de esperar o carnaval pra começar o ano. Ou então, passem o carnaval pra logo após o Reveillon. Isso faria mais sentido. E hoje o Gico tinha carnaval na escola. Tinha que ter fantasia. E ele queria uma nova. Tá doido? Comprar uma fantasia só pra pular metade de uma tarde? Pois resolvi improvisar, porque as fantasias de palhaço, batman, power ranger, do Harry Potter e da morte são mto quentes. E tá um calor dos infernos. Aí pegamos uma bermuda, uma camiseta, uma cartola e uma varinha.
- Vai de mágico.
- Ah, então eu tenho uma idéia.
Saiu correndo e voltou com a cartola gorda. Com um coelhinho de pelúcia dentro.
- Boa idéia, filho.
- Mas vc não acha que tá parecendo meio bobo, mamãe?
- Nãããããããoooooo.... Magiiiiiiinaaaaaaaaaaaa...... Bobo é o carnaval!!!!

quinta-feira, 19 de fevereiro de 2009

Dias melhores vieram

A gente passa por muita coisa na vida. Coisas boas, coisas mais ou menos e coisas ruins. Pois eu acho que passei um dos piores momentos da minha vida nas últimas duas semanas. Minha mãe acidentada, meu irmão doente. Ambos hospitalizados. Cada um em um hospital, cada um em uma cidade. E a família toda dividida, um pouco em cada lugar. Todos se ajudando, se apoiando, rezando e pedindo a Deus pos essas tão amadas vidas. Nesses dias eu senti o quanto é importante termos família. Família verdadeira, unida, sincera e sobretudo lutadora. E agradeço a Deus e a todos os que oraram por nós. Deus ouviu as preces e atendeu nossos pedidos. Obrigada de coração e um beijo para todos vcs!

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2009

BBB

Não sou dessas que assistem um negócio e lascam o pau. Mas assiste. Eu, quando não gosto de algum programa de tevê, não vejo e pronto. Pois ontem eu assisti o BBB. Não acompanho, mas confesso que acompanhei assiduamente uma vez. Até torci e sofri por alguns participantes. E ontem eu resolvi ver. Como não sou telespectadora, me vejo no direito de comentar, ou melhor, criticar. Acho que esse tipo de programa deve ter alguma coisa que agrade tanta gente. Mas o que será? Juro que não consigo imaginar. Ontem teve prova do líder e o vitorioso ficou num sei quantos minutos contando qual foi a sua "estratégia". Depois, pares falavam mal de seus desafetos. Depois, casais conversavam sobre seus relacionamentos. Depois todo mundo falava mal de todo mundo. Depois não aguentei e fui dormir. Não houve um segundo de um papo que prestasse. Tudo descartável. Pior, tudo insuportavelmente oco. E fiquei imaginando como deve sentir-se quem está lá e tem algum conteúdo. Mas será que alguém que se propõe a participar de um programa nesses moldes tem algum conteúdo? E os sites???? Em todos, absolutamente todos, que a gente entra tem um pitaquinho, uma historinha, um comentariozinho sobre o BBB. O mundo em crise, o Lula pisando na bola (leia-se o caso Battisti), o desemprego batendo na nossa porta, a escola pela hora da morte, o salário que não sobe, o aluguel que sobe, o saco que enche e a população vendo BBB. Querendo guerrinha, briguinha, intriguinha, torcendo pro mocinho, odiando a mocinha. E mais uma vez eu penso em que mundo meu filho vai viver. Com que valores ele terá que lidar? E meus netos????? Rezo pra que nenhum de meus parentes ou descendentes sejam BBBs. Porque eu juro que vou revirar no túmulo e puxar o pé de quem me fizer essa vergonha!

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2009

Peraltice



- Mamãe, quero fazer xixi numa garrafa.
- Como assim?
- Eu quero fazer xixi numa garrafa durante um dia inteiro.
- Pra que?
- Pra saber quanto de xixi eu faço por dia.
- Credo, filho, vc vai guardar a garrafa e toda hora que for fazer xixi vai pegar?
- Vou. Mas vc não pode. Vc faz xixi pelo bumbum.
Então tá.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Vergonha

Eu não gosto mto de falar de política pq meu tempo trabalhando nessa área empanturrou. Chega a me dar náuseas só de lembrar. Mas hoje, na reunião de pauta, fiquei estarrecida ao saber que os muitos cofres comprados para os vereadores caipiracicabanos não estão sendo usados. Pior, não há espaço nos gabinetes para eles, nem tomadas de força. Claro, os cofres são eletrônicos. Uma observação do repórter que apurou a matéria me deixou muito muito muito irritada. Alguns vereadores estão usando o cofre para guardar o laptop. Laptop que custa R$ 3,5 mil para um cofre que custou R$ 7 mil. Agora eu pergunto: MEU DEUS DO CÉU, MAS QUE PAÍS É ESSE????? Realmente não entendo como políticos pensam. Melhor, como não pensam. Como dormem à noite? Como olham para seus filhos? Como "olham" para Deus? É inadmissível certas atitudes. E ainda a gente é obrigado a votar. Valei-me!!!!! E o dinheiro público escorre pelos ralos.......

Não tem nada a ver com o caso, mas tem td a ver com o tema.
Giovanni me pergunta:
- Mamãe, vc conhece alguém que é rico?
- Conheço.
- Eu conheço?
- Conhece. Mas por que? O que é uma pessoa rica pra vc?
- Quem tem muito dinheiro.
- E ter muito dinheiro é muito importante?
- Não, mamãe, o mais importante é ter muito amor. Eu prefiro ser classe média do que ser muito rico e não ter você, o papai, a vovó, a Cacá.......

Preciso dizer mais???????

Gatuno

Minha mãe tem um quintal delicioso, com uma parreira de uva e algumas árvores, além de uma cozinha muito gostosa. Bem casa de vó. O caso é que, em dois dias consecutivos, um ladrão pé-de-chinelo entrou no quintal e levou gêneros alimentícios, produtos de limpeza e uma bicicleta. No primeiro dia, quando fui buscar o Giovanni na escola, contei pra ele.
- Filho, precisamos ir na vovó pq entrou ladrão no quintal.
- Ladrão? LADRÃOOOOO? O que ele roubou?
- Ah, roubou latarias, sabão em pó, a bicicleta do tio Fulano, essas coisas.
- Nossaaaaa!!!!
Chegando na vó, a Cláudia (secretária do lar) estava lavando a frente.
- Cláudia, quer dizer que entrou ladrão no quintal?
- É Giovanni, entrou sim.
- E é verdade que ele roubou comida, sabão, essas coisas?
- É sim.
- Mas me fala uma coisa, e suas vassouras e seus rodos? Ele roubou???
- Não.
- Ai, graças a Deus.

Pois é, graças a Deus que não levaram os instrumentos de trabalho da Cláudia...... risos