terça-feira, 27 de janeiro de 2009

Confiança

Com a vida do jeito que anda, uma correria total, não presto atenção em algumas coisas e passo batido por várias. Minha saúde é uma delas. E eu só lembro de agradecer por minha saúde quando ela sai pra dar umas voltinhas. Pois é. Fiquei com uma baita virose, daquelas de baquear mesmo, que deixam a gente se sentindo um trapo. Sem entrar em detalhes desagradáveis, me senti desintegrando, mal pra burro. Não tinha vontade de nada, nem de água. Fui ao hospital, tomei um sorinho básico e não melhorei. Minha melhora só veio depois que fui ao meu médico. E percebi que na vida td é questão de confiança. Quando pequenos, nada é difícil, pois confiamos nos pais. Na escola, td fica tranquilo qdo confiamos nos professores e a adolescência não é tão pesada quando temos amigos em quem podemos confiar. E assim vai, td na base da confiança. Por isso que quando somos traídos, parece que o mundo acabou. Porque a confiança quebrada é uma dor só. Então, fui ao médico, parece que sarei dentro do consultório. Coisa louca essa. A mesma confiança que almejo tanto encontrei no meu marido. Não tenho medo de nada quando estou com ele. Engraçado isso. Em mtas ocasiões nem eu, nem ele, ninguém, podia fazer nada. Mas se ele não estivesse comigo, surtaria. E eu mal, mal pra caramba no sábado, tava segura com ele ali, ao meu lado. Quando saiu um minuto do quarto do hospital, eu já comecei a transpirar. Cadê ele??? E lá vem o meu salvador. O Márcio é meu ponto de equilíbrio. Ele é calmo, tranquilo, sereno. E eu, espaçosa, vou invadindo..... Quando extrapolo, ele vem com toda calma do mundo e me diz - mas com toda calma do mundo mesmo - o que está demais. E assim vamos levando a vida. Na base do amor, do carinho, da amizade e da confiança. E aí me lembrei de um papo que tive com o Gico.
- Mamãe, todo mundo que a gente conhece é do bem?
- Não sei, filho. A gente não sabe o que se passa no coração das pessoas.
- Mas como eu vou saber quem é do bem e quem é do mal?
- Olha, não é do bem quem pedir pra vc não contar algo pro papai e pra mamãe. Alguém que quiser te levar pra algum lugar sem os outros saberem, essas coisas.

Terrível falar isso pra um filho de seis anos. Como explicar em que se pode ou não confiar? Nem eu sei, às vezes quebro a cara. Aí me lembrei de dizer:
- Filho, vc vai aprender sozinho em quem confiar. Porque, de verdade, a gente sente quem é bom ou ruim, basta a forma como a pessoa olha ou fala com a gente.
- Eu acho que não conheço ninguém que não seja do bem.

E agora???? É rezar e pedir pra Deus que dê a ele um bom "olho". E não descuidar, mas sem prender. É confiar em Deus.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2009

Ótimo ouvido!


Eu não presenciei, mas segundo a Cacá, Giovanni estava ouvindo "o som da natureza"..... No meio de um parquinho, com cças em volta, numa boa..... Esse carinha inventa cada uma....

quinta-feira, 22 de janeiro de 2009

Cansaço

Estou numa semana dow. Não tenho nada pra falar, nada pra contar, nada de novo, nada de velho, tudo insosso. Irritantemente insosso. Nem sei se é assim que escreve insosso. Deve fazer mts anos que não escrevo essa palavra. Mas o fato é que a vida está passando rapidamente, porém nas férias parece que muito lentamente. Não consigo encher meus dias. Não consigo ficar feliz, tá td meio que sem brilho. Tõ cansada. Cansada de nem sei o que. E hoje acordei com uma indisposição...... Acho que tudo isso é fruto das coisas mal resolvidas. Coisas que eu não posso resolver sozinha, que dependo de alguém, mas alguém não me ajuda. Tô cansada de ser a mulher maravilha. Tõ cansada de ser forte. Quero colo, quero chorar, quero ser frágil, fofa e meiga. Mas não sou, caramba. Qdo eu era, digamos "mocinha", eu queria ser meiga. Me esforçava.... queria ser delicadinha, falar baixo, ser fofa mesmo. Mas num deu. Soava tão falso..... Primeiro que pra td isso eu precisaria ser baixa. Já viu uma mulher alta meiguinha???? Eu nunca vi. De verdade. Meiguice só combina com "mignonzice". Parece que mulher grande tem que falar alto, ser decidida, enfrentar tudo e todos. E eu não queria ser assim. Mas sou, é lógico. Faz parte do meu biotipo. Papo chato. Tudo insosso.
Tchau, gente!

sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

O bom filho à casa torna....

Fiquei um bom tempo sem escrever aqui porque estou de férias e me dei férias de tudo. Não entrei um dia sequer. Mas ontem fui ao shopping assistir Madagascar 2 (gostei muito mais do 1) e, passeando pela Ri Happy (quem tem filho pequeno sabe que essa passada é obrigatória), encontrei a Ivana, grande poetisa, defensora dos animais e mulher. Ela me disse, entrei no seu blog, muito legal, etc. Aí eu disse que estava de férias de tudo. Mas hoje tive uma coceirinha e resolvi entrar. Como fiquei feliz quando li o recadinho de meus queridíssimos amigos e do meu irmão mais velho, uma espécie de pai.....
Nesses dias ando pensando que graças a Deus vou demorar pra aposentar. Porque ficar de férias não é nada fácil. A gente sonha com a chegada dela e depois não vê a hora que termine. Ficar com meu filho é a parte maravilhosa, mas ficar sem produzir é terrível. Fomos para a praia, tava tudo uma delícia, mas comecei a cansar. Cansar de não fazer nada. Fazer nada é modo de dizer, porque mãe sempre tem muita coisa pra fazer.... Ah, dá pra entender, né!
Giovanni me diverte a cada dia. Não precisa nem dizer que ele ficou amigo de meia praia. Do cara do sorvete, da batidinha, do menino do guarda-sol do lado, do homem que jogava frescobol com o filho, etc etc etc. E deu pra virar contador de piadas, aquelas que aprendeu com os primos mais velhos nas festas de final de ano. Não tinha quem não conhecesse a figura na praia. No começo foi super divertido, mas confesso que eu comecei a sentir uma certa vergonha. Elé é daquelas cças que falam com todos, riem para todos, brincam com todos. Acho que vai ser político (pelo amor de Deus, NÃO!), ator, ou escritor. Porque inventacada uma e não se envergonha de nada.
Bom, agora tenho que parar pq ele colocou uma piranhinha na cabeça de um dinossauro e emperrou. Tudo porque queria ter na coleção, uma dinossaura. Depois eu volto.
Queridos, eu amo vcs e espero que a gente possa estar junto em mais um ano. Pá, eu fui te ver mas vc num tava. Rô, Má, saudades mil. Junião, vc é nota um bilhão!!!!!!
beijos